Untitled Document


150º ANIVERSÁRIO DA BATALHA DO RIACHUELO



Anualmente, a Marinha do Brasil, através das Capitanias dos Portos, e a Capitania dos Portos do Maranhão – CPMA não é exceção, comemora civicamente o aniversário da Batalha Naval do Riachuelo, que aconteceu em 11 de junho de 1865, em que saiu vitoriosa a Esquadra do Brasil e que, portanto, no dia 11 de junho de 2015 completa 150 anos. E o dia 11 de junho é a data magna da Marinha.

A importância da vitória em alusão é que, até aquela data, o Paraguai tinha a iniciativa na guerra e ela inverteu a situação, garantiu o bloqueio e o uso, pelo Brasil, dos rios Paraguai e Paraná, que eram as principais artérias do teatro de operações de guerra, e desmotivou possíveis adesões de simpatizantes de argentinos e uruguaios à causa paraguaia.

Coube ao Almirante Joaquim Marques Lisboa, Visconde de Tamandaré, depois Marquês de Tamandaré, o comando das Forças Navais do Brasil em Operações de Guerra contra o Paraguai e, com o avanço das tropas paraguaias ao longo da margem esquerda do Rio Paraná, Tamandaré resolveu designar seu Chefe do Estado-Maior – Chefe de Divisão Francisco Manuel Barroso da Silva para comandar a força naval que estava rio acima, enquanto a Esquadra inimiga esteve sob o comando do Comodoro Mezza. A feroz batalha teve lugar no Riacho Riachuelo.

Foi um dia de fortes embates, quando se destacaram, sobremaneira, o Guarda-Marinha Greenhalgh e o Marinheiro Marcílio Dias, se portando com bravura e destemor e, por isso mesmo, foram considerados heróis nacionais brasileiros.
Durante a refrega em referência foram pronunciadas frases importantes, de incentivo à luta, e que até hoje servem de exemplos para os marinheiros e para todos nós, brasileiros, que temos o dever de defender a Pátria, inclusive com o sacrifício da própria vida, ou seja: “O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever!”; “Atacar o inimigo o mais próximo que puder!”; “Sustentar o fogo que a vitória é nossa!”.

Essa batalha foi muito importante para o desfecho da Guerra entre a Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai) e o Paraguai, este à época, possuidor da maior frota fluvial, uma vez que os paraguaios completamente derrotados abandonaram para o Brasil o controle do Rio Paraná e a partir daí Francisco Solano Lopez ficou impedido de receber abastecimento do exterior.

Durante as comemorações é lida a Ordem do Dia do Comandante da Marinha e geralmente são entregues medalhas de mérito e de tempo de serviço aos marinheiros; feitas homenagens a autoridades civis e militares das Forças Armadas, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militares, e outros acontecimentos. Especialmente nas comemorações maranhenses se fazem presentes os Amigos da Marinha no Maranhão e integrantes da Sociedade Amigos da Marinha no Maranhão – SOAMAR/MA; empresários marítimos e portuários; além de familiares e outros convidados especiais. Após a celebração é costume ser servido um excelente coquetel, tudo sob o Comando do Capitão-de-Mar-e-Guerra, Capitão dos Portos.

Através deste artigo, este articulista e o Jornal Pequeno prestam suas homenagens à Marinha do Brasil, pela passagem da importante data. (SL, 31/05/2015).

*Amigo da Marinha, Mérito Tamandaré e Tripulante Honorário da CPMA. E-mail rocha.osvaldo@uol.com.br e site www.osvaldopereirarocha.com.br



Clik no link do menu ao lado para ver as fotos relacionadas ao tema Marinha do Brasil

"Não existe caminho para a paz. A paz é o caminho"