Untitled Document

DESCOBRIMENTO DO BRASIL
Para honra e gloria do Grande Arquiteto do Universo. “Até aqui o Senhor nos ajudou”
(1.Samuel 7.12).



No dia 22 de abril o nosso País comemora o seu o Aniversário do descobrimento, já que este auspicioso fato ocorreu no dia 22/04/1500, com a chegada das naus portuguesas comandadas por Pedro Álvares Cabral à costa das Terras de Vera-Cruz, no litoral da Bahia, ocupadas por índios tupinambás e tupiniquins, nos termos da História do Brasil.

Registra também a história que, para selar o sucesso da viagem de Vasco da Gama de descobrimento do caminho marítimo para a Índia, que permite contornar o Mediterrâneo, então sob o domínio dos mouros e das nações italianas, o Rei D. Manuel I se apressou em mandar aparelhar uma nova frota para as índias. Uma vez que a pequena frota de Vasco da Gama tivera dificuldades em impor-se e comerciar, esta seria a maior frota então constituída composta por treze embarcações e mais de
mil homens.

Os nomes dos navios ou naus comandadas por Cabral não se sabe ao certo, haja vista que os historiadores informam nomes diferentes e sem se referirem às treze supracitadas. Destas, História do Brasil menciona Santa Maria, Pinta e Nina. Assim sendo, a armada portuguesa continua quase toda anônima. Antes da partida de Portugal, consta que o Rei mandou celebrar uma missa no Mosteiro de Belém, presidida pelo Bispo de Ceuta, D. Diogo de Ortiz, em pessoa, onde benzeu uma bandeira com as Armas do Reino e entregou-a em mãos a Cabral, despedindo-se o Rei do fidalgo e dos demais capitães.

Já em terras de Vera-Cruz, no dia 24/04/1500 Cabral recebeu os nativos em seu navio, acompanhado de Sancho de Tovar, Simão de Miranda, Nicolau Coelho, Aires Correia e Pero Vaz de Caminha e acreditou, pelo que diziam os índios, que havia muito ouro nas terras descobertas. Contudo, Pero Vaz de Caminha, em sua carta ao Rei informando descobrimento da Terra de Vera-Cruz (Brasil) confessa que não saberia dizer se os índios diziam mesmo que ali havia ouro ou o desejo dos navegantes pelo metal era tão grande que eles não conseguiam entender de modo diferente. O encontro entre portugueses e índicos também está documentado na carta escrita por Caminha. O choque cultural foi claro. Os índicos não reconheceram os animais que os portugueses trouxeram, com exceção de um papagaio e os índios rejeitaram o vinho que lhes ofereceram os navegadores. As vestimentas dos portugueses e a pouca roupa dos índios são exemplos do referido choque cultural.

Em 26 de abril de 1500 foi celebrada a Primeira Missa no Brasil, por Frei Henrique de Coimbra, quando os nativos começaram a tomar conhecimento da fé dos portugueses. No começo do processo de colonização do Brasil os tupiniquins apoiaram os portugueses, enquanto os tupinambás, seus rivais, apoiaram os franceses, que durante os séculos XVI e XVII realizaram diversas ofensivas à América Portuguesa. Outros navegadores teriam estado no Brasil em datas anteriores ao seu descobrimento oficial, pelos portugueses, comandados por Pedro Álvares Cabral, entre eles Vicente Yánez Pinzón, Diego de Lepe, Joao Coelho da Porta da Cruz e Duarte Pacheco Pereira, sendo que estes dois últimos teriam estado no Brasil em 1493 e 1498, respectivamente.

Rogo ao Grande Arquiteto do Universo para que continue nos abençoando.

Feliz Aniversário, Pátria amada! SL, 21/04/2019.


*Jornalista Colaborador, registro DRT/MA nº 53 Site www.osvaldopereirarocha.com.br
OBS. Postado no JB News – Informativo nº 2.347, de 03/032017.

Clik no link do menu ao lado para ver as fotos relacionadas a este e outros temas

"Não existe caminho para a paz. A paz é o caminho"