Untitled Document

IMPONTUALIDADE

Pontual é adjetivo e diz respeito àquele que chega na hora marcada; exato no cumprimento das suas obrigações; feito com exatidão ou no prazo combinado. Segundo o Moderno Dicionário da Língua Portuguesa Michaelis 2000 pontualidade é qualidade de pontual. E mais, que impontual é aquele que não é pontual; que não cumpre aquilo a que se obrigou; que impontualidade é falta de pontualidade; qualidade de quem é impontual.

Aqui deve estar o motivo de muita gente não cumprir seus compromissos, pontualmente, pensando ser isso uma qualidade, achando que qualidade é, sempre, o que é bom ou correto, quando de fato não é assim.

Acham bonito dizer que o povo inglês é pontual e que o brasileiro é impontual por excelência. E quando alguém chega a um compromisso pontualmente costumam dizer “que pontualidade britânica”! Mas tal frase, quase sempre não é feita a título de elogio, como deveria, mas de crítica ou gozação. Aqui no Brasil ou especificamente no Maranhão, dizem que é chique a noiva chegar pelo menos com duas horas de atraso à celebridade do seu casamento; que as solenidades de colação de grau também podem ou até devem atrasar, que é normal. Há quem convide alguém para uma reunião às nove horas, mas quem convida tem a falta de comiseração de chegar mais de uma hora depois, achando que isso é normal para o brasileiro. Alguns ‘cara de pau’ ainda riem e dizem simplesmente, foi o trânsito... Outros que convidam para sua própria casa e quando o convidado chega na hora marcada eles ainda estão arrumando a casa...

Nas solenidades públicas, a justificativa para o atraso de sempre, quando dada, é a espera de autoridade, como se esta não devesse ser pontual, em respeito aos que chegam pontualmente ao local do acontecimento.

Fui desconsiderado e ou desrespeitado pelos impontuais, mas só uma vez para cada tipo de evento. Por isso, há tempos não compareço a casamentos, colações de grau ou reuniões onde o comparecimento de autoridade seja obrigatório ou, ainda, em casa de quem não me teve consideração. Todavia, também tive há alguns anos o prazer de ver e ouvir um Padre anunciar textualmente na Igreja o seguinte: “Meus irmãos e minhas irmãs, que Deus esteja convosco. Informo-lhes que fora marcado um casamento aqui hoje às dezesseis horas e como já são dezessete e os nubentes não chegaram, não celebrarei mais esse casamento. Desculpem-me pelas falhas dos outros”. Ficamos nós, os convidados, ao mesmo tempo aborrecidos com a falta de consideração dos nubentes e satisfeitos pela atitude do Padre.

Ultimamente, tem acontecido comigo desconsideração em clínicas ou consultórios médicos, com esses profissionais da saúde sistematicamente chegando com mais de uma hora de atraso e sem darem qualquer satisfação aos ‘pacientes’, o que me tem forçado a procurar outro médico ou outra clínica. Será que foi para isso que nos apelidaram de pacientes? Além de doente, sentindo dores, temos que ser pacientes e ou tolerantes?

Recentemente li um aviso em uma dessas casas de saúde informando que o atendimento é feito pela ordem de chegada e segundo necessidade médica. Será que essa necessidade médica é para justificar o costumeiro atraso dos médicos? E mais, tudo indica que os ‘pacientes’ conveniados são passados para trás pelos que pagam à vista seus atendimentos, considerando que em determinada consulta o atendente me informou, mediante pergunta, que eu seria o 7º a ser atendido e eu lhe perguntei mesmo sendo eu idoso e com senha preferencial e com poucos para serem atendidos? Fiquei sem resposta.

Finalmente, chegaram mais pessoas e eu fui o penúltimo a ser atendido. Será que no SUS é assim ou é pior caro(a) leitor(a)?


*Advogado. Jornalista Colaborador (Registro DRT-MA nº 53). Grão-Mestre “AD VITAM’ do Grande Oriente Autônomo do Maranhão – GOAM e Grande Inspetor Geral da Ordem (REAA). E-mail: rocha.osvaldo@uol.com.br e site: www.osvaldopereirarocha.com.br



Clik no link do menu ao lado para ver as fotos relacionadas a este e outros temas

"Não existe caminho para a paz. A paz é o caminho"