Untitled Document


SÃO LUÍS QUATROCENTONA

Grande Arquiteto do Universo, QUÃO GRANDE ÉS TU, SENHOR!

A História registra que a Cidade de São Luís, capital do Estado do Maranhão, Cidade Cultural, Patrimônio Cultural da Humanidade, situada na Ilha de Upaon Açu, ao norte do Estado, completará em 08 de setembro deste ano de 2012, exatos 400 anos de fundação pelos franceses Daniel de La Touche, Senhor de Laravardière, Francois de Razily e Nicolas de Harley, visto que esse importante fato histórico aconteceu em 08 de setembro de 1612. Posteriormente, em 19 de novembro de 1614, os franceses foram vencidos pelos portugueses, na batalha de Guaxenduba. Todavia, apenas em 02 de novembro de 1615, aconteceu a integração de São Luís do Maranhão aos lusitanos.

Com a ajuda dos holandeses, chefiados por Alexandre de Moura, com sua Armada, em 30 de outubro de 1615, os portugueses, aquartelados na Fonte das Pedras, expulsaram os franceses desta cidade quatrocentona, de nome São Luís, que lhe foi dado em razão do aportuguesamento do nome do Forte Sain-Louis, este em homenagem ao rei menino da França, Luiz XIII.

São Luís dos mais de 3.000 casarões que representam o maior acervo arquitetônico de origem portuguesa no Brasil é também chamada “Ilha do amor” e “ilha rebelde” por muitas razões... Suas igrejas ecoam o verbo candente do Padre Antonio Vieira, pregando aos peixes a verdade que os homens se negavam a ouvir. Suas praças testemunham o sacrifício de Manoel Beckman – o Bequimão – eternizando o seu grito “Pelo Maranhão Morro Feliz”! Tem seus azulejos históricos e tem suas lendas...

Nossa querida São Luís é considerada a Atenas Brasileira, a cidade dos poetas, e são muitos os poetas da cidade; a cidade do príncipe dos poetas, Gonçalves Dias e de tantos outros literatos e ou escritores, falecidos ou não, como Odorico Mendes, Sotero dos Reis, João Lisboa, Sousândrade, Aluísio de Azevedo, Artur Azevedo, Maranhão Sobrinho, Graça Aranha, Josué Montello, Antonio Henrique Leal, Nina Rodrigues, João Francisco Lisboa, Bandeira Tribuzi, Bernardo Coelho de Almeida, Ceres Costa Fernandes, Nauro Machado, João Francisco Batalha e José Ribamar Fernandes.

“Das lentas ladeiras que sobem angústias, sonhos do futuro, glórias de passado”, nos versos do poeta Bandeira Tribuzi, revelam as magias do chão ludovicense, seu passado de glória e a busca insistente de uma hora que chega, quando a cidade se aproxima dos seus 400 anos em busca do progresso, e descobrindo nos caminhos do passado o futuro que precisa construir.

Devo muito a São Luís, visto que cheguei aqui, vindo de Pedreiras – Maranhão, onde nasci e nesta hospitaleira cidade estudei, até concluir o curso superior em Direito e especializar-me em Direito Previdenciário e do Trabalho; devidamente inscrito na OAB/MA, advoguei, obtive aprovação em concursos públicos e trabalhei, até obter aposentadoria por tempo de serviço, como Auditor Fiscal do Trabalho, com as vantagens do cargo de Delegado Regional do Trabalho; constituí família; criei raízes; realizei-me.
E desta querida cidade adquiri Cidadania Honorária, que muito me honra, através de Projeto do Exmo. Sr. Vereador José Joaquim, que ensejou o DL nº 031, de 09/12/2000, publicado no Diário Oficial do Município em 19/12/2000 e a mim entregue em Sessão Solene da Câmara Municipal no dia 26/04/2001, presidida pelo Exmo. Sr. Vereador Ivan Sarney.

“Tuas praias, tua gente, teus encantos, teu valor; fazem de ti a mais linda das cidades, São Luis, ilha do amor” (autor desconhecido).

E o Estado do Maranhão como um todo, tem o Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão – IHGM que, como não poderia deixar de ser, através de sua atuante diretoria, tendo à frente a confreira Telma Bonifácio Santos Reinaldo e o confrade Leopoldo Gil Dulcio Vaz, instalou uma importante comissão para programar e comemorar dignamente os quatro séculos de São Luís, sua capital.
A ti São Luís, todas as homenagens são merecidas; a mim, cabe dizer-te, com ênfase, que todos os agradecimentos a ti são devidos.

Mesmo ainda um pouco distante, desejo-te Feliz Aniversário, querida São Luís Quatrocentona!

"Não existe caminho para a paz. A paz é o caminho"